Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
Início / Cultura e Lazer / “Novembro Negro” da EMEF Benedicto Weschenfelder de Osasco é finalista de prêmio nacional de educação

“Novembro Negro” da EMEF Benedicto Weschenfelder de Osasco é finalista de prêmio nacional de educação

O projeto “Novembro Negro”, desenvolvido na EMEF(Escola Municipal de Ensino Fundamental) Benedicto Weschenfelder, do Jardim Piratininga, é um dos 33 finalistas da 5º Edição do Prêmio Educar para Igualdade Racial, uma iniciativa do CEERT (Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdade) em parceria com o Banco Santander, direcionada as escolas públicas e privadas que tem como foco incentivar a cultura colaborativa dentro da temática das questões raciais. O concurso premiará os melhores projetos em torno das práticas de valorização étnico-racial.

O projeto na unidade foi desenvolvido por meio de atividades que buscavam sensibilizar toda comunidade escolar para a valorização da cultura negra. Os trabalhos foram inspirados nos Quilombos como expressão da resistência e afirmação positiva dos valores culturais negros nos dias de hoje.

Por toda escola foram promovidas manifestações artísticas que proporcionaram reflexões críticas da realidade como: leitura de livros (temática afro-brasileira); confecção de trabalhos (maquetes, máscaras, cartazes e gráficos); pintura, recorte e colagem; confecção de bonecos e símbolos africanos (artes); produção de textos; estudo do meio (visita a Casa de Angola); apresentações de danças (Samba de Roda); apresentações de capoeira; leitura de mundo e leitura coletiva de textos africanos (EJA); apresentações de Jograis, entre outros.

Os trabalhos foram desenvolvidos com base em pesquisa de embasamento utilizando a bibliografia afro-brasileira disponível na própria unidade escolar.

Os participantes concorreram em duas categorias: Professor e Escola, com quatro subcategorias cada uma, nas quais serão premiados oito professores, que receberão R$ 5 mil cada, e oito escolas, com R$ 10 mil cada.

Ao todo foram 785 trabalhos inscritos em todo o país, um recorde desta 5ª Edição, representando um aumento de quase 100% em relação à ultima edição nacional, realizada em 2006. Esse aumento, além de revelar maior preocupação dos professores com a promoção da igualdade racial na sala de aula – provocados, sobretudo, pela Lei 10.639, aponta também um crescimento de ações para favorecer a institucionalização de políticas educacionais de promoção da igualdade racial, o que é um dos objetivos do Prêmio Educar e do CEERT.

Os 16 premiados serão anunciados no dia 14 de dezembro deste ano, em atividade realizada pelo CEERT em São Paulo.

Além disso, verifique

Osasco comemora seus 51 anos com uma programação extensa

Osasco chega aos 51 anos de emancipação político-administrativa como a 4ª cidade mais rica do …

2 Comentários

  1. o leonardo um amigo de del um xute na doca e ta inxado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SEGURANÇA * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.