Início / Geral / “Segurança Pública: o Grande Paquiderme da Sociedade Brasileira”

“Segurança Pública: o Grande Paquiderme da Sociedade Brasileira”

O modelo de segurança pública brasileiro tem na Constituição Federal o incentivo da continuidade da ineficiência que hoje é marca maior da sua funcionalidade. Se fizermos uma leitura mais detalhada do artigo 144 da nossa Carta Magna, iremos perceber que este artigo e todo o capítulo é fruto de uma sociedade que a cada dia está deixando de existir, pois foi construído ainda sob o resquício de uma época que o povo sequer tinha o direito de discutir segurança pública, pelo fato de apenas ter direito a ficar calado, sob pena de ser agredido física e moralmente, época em que a censura ainda era o grande instrumento de alienação do povo, tolindo os meios de imprensa e não permitindo que a verdade chegasse aos ouvidos do cidadão. Aos governantes cabia a estratégia de manipular para governar.

Nossa Constituição avançou imensamente em muitas áreas, mas é claro que no tocante à segurança pública deixou muito a desejar, pois o capítulo a que nos referimos foi escrito por pessoas que à época militavam na área. Cabe-nos ressaltar que a sociedade brasileira não aprova o atual modelo que aí está. Já evoluímos muito após esses mais de 20 anos pós-constituição, e ao mesmo tempo sabemos que o mundo exige velocidade nos acertos de algumas questões e está se acostumando em acelerar essas mudanças nas sociedades que querem se modernizar e fazer parte do seleto grupo dos países desenvolvidos. Como entrarmos nesse grupo se porventura somos inertes diante de uma temática tão importante, cujos acertos e erros dizem respeito à preservação da vida, bem maior de qualquer se humano?

A política brasileira de segurança pública foi alimentada durante décadas por ingredientes que a tornaram extremamente ineficientes, e essa somatória sempre foi composta pela sinergia da compra de mais carros, armas e contratação de mais homens como forma mágica de solução dos conflitos urbanos. Necessário se faz entender que os lapsos de antagonismo a esse paradigma também existem, porém, em uma escala ainda muito diminuta, não sendo suficiente para passar a idéia de que esse atual modelo é obsoleto. Entretanto, não podemos deixar de entender que estamos avançando, mesmo que a passos lentos. A questão majoritária nessa discussão deve se apegar à quantidade de tempo que dispomos para mudar o sistema aí estabelecido. Parece que os resultados obtidos pelo emprego do atual modelo de segurança pública, até o presente momento, estão em níveis toleráveis, quando na verdade não estão. No entanto, quem faz essa avaliação são os mesmos que mantém e alimentam o atual sistema, aqueles cujo monopólio faz parte da sua própria sobrevivência. Daí o entendimento do porque a sociedade brasileira ainda não ter conseguido ecoar a sua voz com a intensidade necessária no sentido de exigir mudanças, o que na atual conjuntura está mudando com o advento da 1ª Conferência Nacional de Segurança Pública, ocorrida na última semana do mês de agosto, servindo como base às autoridades políticas de que o atual sistema está insuportável, necessitando de profundas transformações, a começar pela inclusão de forma mais aprofundada dos municípios, que já pagam há muito tempo a conta dessa ineficiência.

Caminhamos hoje no sentido de fortalecer atores que, por incrível que pareça, desconhecem a sua própria força. O exemplo desenvolvimentista dos países democraticamente fortes traz o município como um dos protagonistas principais, capaz de contribuir com a modernização do sistema de segurança pública. Essa colaboração iria desonerar os estados federados da incumbência solitária em dar respostas a um problema que não é somente deles, mas de toda a sociedade brasileira. Quando o próprio preâmbulo do Artigo 144 da Constituição Brasileira menciona que “Segurança Pública é dever do Estado, direito e responsabilidade de todos”, deixa claro que todos os entes públicos possuem responsabilidade com o tema, União, Estados e Municípios. Se esse entendimento fosse concretizado na prática, ficaria evidente a preocupação com o tema Porém iria ferir a maior das feras, que aqui chamamos de monopólio, que como guardião dos interesses adversos à solução da problemática, se alimenta das tragédias urbanas para exigir do povo mais recursos por meios de planejamentos incoerentes e ultrapassados, com base na lógica de que ao aparato repressor do Estado devemos dar todos os meios para proteger a sociedade, não importando quanto isso custe, afinal é o único existente Ou seja, falar em dividir tarefas seria o mesmo que ofender os gestores desse imenso monopólio. Toda essa engrenagem do sistema só fez crescer ao longo dos anos um modelo que pode ser comparado a um imenso paquiderme.

Imaginemo-nos entregues à sorte, nas mãos de um imenso elefante, que seja imensamente grande, pesado, lento, destrutivo e barulhento. Pois bem, o sistema de segurança pública brasileiro é lento e pesado ao se mover porque cresceu demasiadamente, fruto do resultado da política implementada ao longo dos anos por meio tão somente da compra de material bélico e da contratação de mais agentes; barulhento porque tem como pilar de sustentação a mídia por meio de programas sensacionalistas que se alimentam das tragédias diárias, tentando alienar ao máximo o povo com opiniões que vão do resultado antecipado do inquérito policial, oferecimento da denúncia e julgamento, tudo isso em uma única reportagem, ou seja, não se dá pura e simplesmente a notícia, se induz por meio do espaço jornalístico o que se quer, defendendo a causa que se deseja, o que no atual momento histórico é a manutenção do atual sistema de segurança pública que está ruindo, pois os donos do monopólio têm a mídia como parceira, até porque é nessa hora que surgem os grandes especialistas em segurança pública. Porém, a grande maioria aposentados, casuísticos e mantenedores de uma oligarquia que só interessa aos monopolistas do assunto, que sequer aceitam um debate olho no olho, sempre dando suas opiniões longe do contraponto e com o apoio de parte da mídia que busca holofotes com essa infrutífera parceria, cedendo seus estúdios a esses burocratas e negando espaço a outros profissionais da área.

Entretanto, basta nos aprofundarmos para sabermos que aprimoramos nossas instituições e temos hoje um Ministério Público atuante e um Poder Judiciário independente. Não precisamos da mídia para julgar as pessoas ou as instituições, induzindo o povo a pensar tão somente o que ela quer, não é a mídia que deve julgar e condenar. Nosso Estado Democrático de Direito já possui mecanismos legais para isso. Também não é a mídia sensacionalista que deve dizer quem deve atuar no atual sistema de segurança pública que o povo quer construir. O povo não tem compromisso com as oligarquias que foram estabelecidas por um regime ditatorial e que sobrevive até hoje com o apoio desses programas sensacionalistas ou direcionados. Precisamos muito da mídia para apontar o que não está funcionando bem, para que a verdade sempre apareça. O povo quer respeito e um pouco mais de tranqüilidade, não interessando quem lhe proporcione isso, desde que seja dentro da legalidade. Não nos cabe mais alimentar esse paradigma do desespero e da desesperança. Se ele continuar crescendo, o custo da sua ineficiência aumentará ainda mais e não poderemos sequer avaliar o tamanho do estrago que ele causará à sociedade brasileira.

Gilson Menezes
Diretor do Departamento de Segurança Urbana da cidade de Osasco
Pres. do Conselho Nacional das Guardas Municipais
Prof. do Ensino Superior
Pós Graduado em Segurança Pública

Além disso, verifique

Prefeito Jorge Lapas cria canal permanente de diálogo com a juventude de Osasco

Em um “papo reto”, como ele mesmo classificou, com jovens da cidade, foi criada uma …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SEGURANÇA * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.