Início / Educação / Conferência destaca ações do Programa Escola Cidadã da rede municipal de ensino de Osasc

Conferência destaca ações do Programa Escola Cidadã da rede municipal de ensino de Osasc

clique para ampliar
clique para ampliar

De 26 a 28 de novembro, mais de 800 pessoas entre especialistas, formadores, professores, alunos do ensino fundamental, pais de estudantes e funcionários da Educação participaram da III Conferência Municipal de Educação, no Centro de Formação dos Profissionais de Educação de Osasco. O encontro realizou sete mesas-redonda que versaram sobre a reestruturação do Plano Municipal de Educação (PME), a participação como ato educativo, os avanços e desafios do Plano de Trabalho Anual (PTA) e Projeto Eco-Político-Pedagógico (PEPP) desenvolvidos pelas unidades escolares, a reorientação curricular da educação infantil e da Educação de Jovens e adultos, bem como as múltiplas linguagens no processo educacional, entre outros. Houve também exposições, círculos de cultura, debates e reflexões sobre as transformações pelas quais passam a educação municipal, a partir da implementação do Programa Escola Cidadã (PEC), com assessoria do Instituto Paulo Freire (IPF). “É um prazer fazer a abertura deste evento. Foram 4 anos de muito trabalho e nossas ações são de peito aberto para as mudanças. Queremos continuar as ações do Conselho de Gestão Compartilhada (CGC), Sementes de Primavera, conferências e muito mais. Queremos fazer uma escola de boa qualidade e, por isso, realizamos a reorientação curricular da educação infantil e da Educação de Jovens e Adultos (EJA). Queremos agora rever o Ensino Fundamental e ver todos os envolvidos respeitados”, destacou a secretária de Educação, Profa. Mazé Favarão, na abertura da Conferência.

Reestruturação do Plano Municipal de Educação

clique para ampliar
clique para ampliar

A mesa-redonda sobre a reestruturação do PME contou com a participação da secretária Profa. Mazé Favarão e do doutor em Educação pela USP e consultor do IPF, Paulo Roberto Padilha, que destacou como se deu todo o processo democrático de reelaboração do PME. De acordo com Padilha, as propostas de reformulação e avaliação da Lei 3891/2004, que define as metas e diretrizes do PME, levaram em conta a construção participativa, a governabilidade, a flexibilidade e o regime de colaboração. “O plano, quando foi elaborado em 2004, não contou com a participação da sociedade. Ele nasceu e ficou na gaveta”, explicou.

Segundo a secretária profª. Mazé Favarão, em 2007, foi criado um Grupo de Trabalho e seis Câmaras Temáticas, compostos por representantes de todos os segmentos da Educação, que discutiram as metas e diretrizes para a Educação Infantil, o Ensino Fundamental, a Educação de Jovens e Adultos, a Educação Inclusiva, os Profissionais da Educação e a Gestão e Financiamento da Educação. “Estão registrados no Plano, de forma democrática, todas as nossas expectativas no que tange à educação infantil, ao combate ao analfabetismo, à educação inclusiva, ao ensino fundamental, entre outras”, ressaltou.

A Profa. Mazé Favarão explicou também que há proposta de criação de Fórum de Acompanhamento do Plano, com autoridade e função fiscalizadora da implementação do PME, a ser constituído após a aprovação na Câmara Municipal. As propostas apresentadas para a reestruturação do PME (Lei 3891) foram submetidas ao Executivo. As Secretarias de Administração e Finanças realizam estudo de impacto orçamentário, para depois ser encaminhadas para apreciação da Câmara.

Reorientação curricular do ensino infantil

clique para ampliar
clique para ampliar

No que tange à reorientação curricular da Educação Infantil, em 2008, iniciou-se na rede municipal de ensino, por meio do Programa Escola-Cidadã (PEC-Osasco), um trabalho de formação dos docentes, de mobilização junto aos pais, de reorganização dos espaços e da construção de novos brinquedos, em parceria com familiares dos alunos. “Hoje temos uma visão mais ampliada do tema e isso é decorrência dos princípios da Escola Cidadã, para a construção de uma nova cultura. “Agora, temos de dar passos mais largos, introduzindo ações que coloquem em prática o Artigo 227, da Constituição Federal, no qual a criança é vista como sujeito de direitos, e a Lei 11.525/07, que preconiza a inclusão dos conteúdos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), no currículo das diversas disciplinas”, explicou a coordenadora de educação cidadã do IPF. Francisca Pini.

PTA e PEPP: avanços e desafios

A discussão sobre os avanços e desafios do Plano de Trabalho Anual (PTA) e do Projeto Eco-Político-Pedagógico retratou, entre outros temas, casos de inclusão, no que tange à educação especial e às questões étnico-raciais, que necessitam de políticas públicas especiais com aprofundamento teórico-científico. Osasco é uma das únicas cidades que tem mostrado essa intencionalidade para a inclusão.

Conselho de Gestão Compartilhada

Essa mesa propôs uma reflexão sobre o processo de constituição dos Conselhos de Gestão Compartilhada das unidades educacionais. Cada segmento teve a oportunidade de comentar sobre os avanços e desafios, desde o processo de eleição até o envolvimento de todos os segmentos nas formações das U.E.. A discussão possibilitou evidenciar o esforço das escolas em formalizar mais esse canal de participação, porém, algumas escolas necessitam aprimorar a forma de mobilizar, principalmente, o segmento de familiares, para as reuniões ordinárias e de formação.

As múltiplas linguagens no processo educacional

Na discussão sobre múltiplas linguagens no processo educacional foram realizadas oficinas, entre elas sobre o tema Cultura tradicional que permitiu um olhar mais amplo sobre a história de resistência dessas práticas, principalmente as manifestações afro-brasileiras, com origem na escravidão. A oficina de rádio e multimídia trouxe a importância não só de aprendermos a usar os equipamentos, mas principalmente a contribuição pedagógica que estes trazem para as crianças nas aulas. Alguns desafios e avanços:

* a curiosidade
* a ruptura de preconceitos
* o analfabetismo digital
* a infoinclusão
* a formação continuada dos professores

Relatos de professores revelaram que a participação nas oficinas mudaram o olhar dela em relação á vida e em relação às suas práticas. “Procurem participar dos cursos oferecidos pela rede como contribuição à formação continuada”, ressaltou a professora Bárbara.

Resultados da avaliação do PEC/Osasco.

O objetivo desta mesa-redonda foi apresentar os resultados da avaliação e, acima de tudo, discutir o processo dessa avaliação e a sua contribuição para uma mudança de cultura avaliativa e a importância de enxergar a avaliação como um exercício da cidadania. Os avanços apontados foram:

* Ampliação do diálogo entre a secretaria e a equipe gestora com os vários segmentos da rede
* Início e consolidação de uma cultura participativa nas diferentes modalidades e segmentos sobre diferentes temas educacionais;
* Maior conscientização sobre a organicidade dos projetos da rede;
* Fortalecimento do protagonismo infanto-juvenil;
*Início de uma horizontalização das relações e articulação entre os diferentes sujeitos da comunidade escolar;
*Apropriação de conceitos-chave da conjuntura educacional e social (cidadania, ECA, Direitos Humanos, PEPP, Sistema, PTA, PME etc.);
* Promoção de debates e ações inclusivas: raciais e de pessoas deficientes, adultos analfabetos, entre outros
* Formações continuadas em termos estratégicos para o cumprimento dos objetivos da política educacional do município (democratização da gestão, melhoria da qualidade educacional e inclusão.

Assessoria de Comunicação SE – Vilmary Macedo

Além disso, verifique

Secretaria de Educação de Osasco saúda servidores para a volta às aulas

Início do ano letivo na rede municipal acontece no dia 6 de fevereiro No mês …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SEGURANÇA * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.